Ong é dona de quase metade de Coari, terra do petróleo

Iram Alfaia, de Brasília

Na sua cruzada para instalar CPI (comissão parlamentar de inquérito) sobre a atuação de ongs (organizações não governamentais) na Amazônia, o senador Plínio Valério (PSDB) disse nesta terça-feira, dia 17, que somente uma, chamada de Opção Verde, é proprietária de quase metade das terras do município de Coari, a 363 quilômetros de Manaus.

O município abriga a bacia petrolífera de Urucu e é conhecido como a terra do petróleo.

A reportagem do BNC Amazonas não conseguiu contato com a ong.

“Uma só ong, que tem página em inglês na internet – não está nem traduzida para o português –, já é proprietária de quase metade das terras de Coari. Sabem o que existe em Coari? Petróleo e gás”, denunciou o senador, prometendo mais informações para esta quarta-feira, dia 18.

Ele chegou ao Senado com a posse de documentos sobre o caso.

“Eu não sei quantos centímetros tem isso aqui, mas seguramente são muitos centímetros. Há uma ong na Amazônia chamada Opção Verde, onde uma brasileira assume e três estrangeiros são sócios, em um escritório que fica fechado permanentemente”, afirmou.

Segundo ele, são negócios de compra de terras em Coari e mostrou documento de cartório, assinado por advogado e por comprador.

“Eles saem, pegam o dinheiro, como todas elas, lá fora, e saem comprando terras onde há riquezas”, acusou.

Disse que o documento também circula na promotoria pública.

Para ele, esse tipo de denúncia sobre as “grandes ongs” não consegue ir adiante, por isso trabalha pela instalação da CPI.

“Não vou esmiuçar, meu caro senador Paulo Paim (PT-RS), porque quero fazer isso de forma mais veemente (…) Então, eu me dou o direito de falar de forma veemente sobre assunto amanhã, aqui”, afirmou.

O senador ressaltou que não se pode “estigmatizar e nem demonizar ongs”, mas é preciso ir a fundo nas investigações.

“As ongs que trabalham seriamente, as ongs que prestam serviços à Amazônia terão de todos nós um atestado de idoneidade”.

ISA

Ele também mirou no ISA (Instituto Socioambiental). A ong, que atua há décadas na Amazônia, possui sede em Manaus, Brasília, São Paulo, Boa Vista (RR), São Gabriel da Cachoeira (AM), Canarana (MT), Eldorado (MS) e Altamira (PA).

Plínio afirmou que na região do alto rio Negro, no Amazonas, onde está o ISA, brasileiro não entra.

“Nos aviões de carreira para São Gabriel da Cachoeira, quase que 100% da ocupação das poltronas é de canadenses, que vão fazer filantropia em São Gabriel da Cachoeira. E sabem o que há em São Gabriel da Cachoeira, na região dos Cem Lagos? Nióbio, diamante, ouro, tântalo”, disse o senador.

A reportagem do BNC Amazonas entrou em contato com o ISA, mas não obteve retorno até o post deste texto.

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

https://bncamazonas.com.br/poder/ong-coari-petroleo-senador/

SANTANA

SANTANA - Jornalista e Bacharel em Ciência Política

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *