Escândalo deixa governo canadense à beira do colapso

Premiê Justin Trudeau, ícone da centro-esquerda, é acusado de tentar influenciar processo contra empreiteira acusada de corrupção3

  • Redação, O Estado de S.Paulo

OTTAWA – Quando foi eleito primeiro-ministro do Canadá, em 2015, Justin Trudeau era um dos políticos mais festejados do mundo. Cara de galã, discurso moderno – em francês e inglês irretocáveis – e um pedigree político tradicional: ele é o filho mais velho do ex-premiê Pierre Trudeau e da ativista Margaret Sinclair. Quatro anos depois, um escândalo de corrupção ameaça encerrar prematuramente sua carreira.

Justin Trudeau
Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá  Foto: REUTERS/Patrick Doyle

Na origem da crise está a empreiteira canadense SNC-Lavalin, com 50 mil empregados, entre eles 9 mil no país, acusada de um suborno na Líbia. A ex-procuradora-geral e ministra de Justiça do Canadá, Jody Wilson-Raybould, afirma que foi pressionada pelo premiê para obter um acordo, em vez de prosseguir com as acusações formais. 

Como resistiu, Jody foi rebaixada e pediu demissão. Em seguida, deixaram o governo Gerald Butts, assessor mais próximo de Trudeau, e a presidente do Conselho do Tesouro, Jane Philpott, que é muito ligada à ex-procuradora. “Infelizmente, as provas de esforços de políticos e funcionários do governo para pressionar a ex-ministra da Justiça a intervir em um caso envolvendo a SNC-Lavalin levantaram sérias preocupações em mim”, justificou Philpott.

A ex-procuradora prestou depoimento ao Congresso na semana passada. Suas declarações atingiram em cheio o governo. A perda de empregos e votos explicaria a preocupação de Trudeau com a condenação da construtora na Justiça e, por isso, teria tentado influenciar o processo – se for condenada, a SNC-Lavalin não poderá obter contratos com o governo pelos próximos dez anos.

O premiê nega as acusações de interferir no Judiciário, mas até agora não foi convincente. Pesquisas apontam que mais de 40% dos canadenses acreditam que ele agiu mal na condução do escândalo. A oposição, liderada pelo Partido Conservador, passou a cobrar a renúncia de Trudeau, embora o país já tenha eleições legislativas marcadas para 21 de outubro.

Uma pesquisa realizada pelo instituto Ipsos, divulgada esta semana, mostrou o Partido Liberal, de Trudeau, com apenas 31% das intenções de voto, enquanto os conservadores surgem com 40%, a maior vantagem no atual ciclo eleitoral.

Nesta quinta-feira, em entrevista coletiva, o premiê disse que todas suas atitudes tiveram como objetivo “proteger postos de trabalho” e garantiu que sua equipe “seguiu a lei”. “Em última análise, acredito que nosso governo sairá mais forte por ter lutado contra essas questões”, disse. “Quando 9 mil empregos estão em jogo, esse é um problema de política pública da mais alta ordem.”

Trudeau tornou-se um dos principais ícones da centro-esquerda mundial com um governo progressista e marcado pela igualdade de gênero e pela abertura do Canadá a imigrantes e refugiados.

No auge de sua popularidade, o primeiro-ministro bateu de frente com as políticas defendidas por seu vizinho Donald Trump, alimentando uma estranha diplomacia com os EUA. Agora, a imagem de político progressista, alinhado a causas sociais, parece irremediavelmente arranhada pelo escândalo. / AFP, REUTERS e NYT

https://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,escandalo-deixa-governo-canadense-a-beira-do-colapso,70002747162?fbclid=IwAR0ST4KeoafxyJpWYmeiLcGpW5Gl8tdq3bgfS-_fMAILyXNeQNji0GvNZqA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *