As ligações entre o grupo terrorista Hamas e o PT

Autoridades palestinas se uniram para criticar (de forma explícita) o anúncio do presidente Jair Bolsonaro sobre a criação de um escritório brasileiro de negócios em Jerusalém. 

“É uma medida provocadora, que é ilegal diante do direito internacional e ainda ajuda a desestabilizar a região”,

Os Territórios Palestinos possuem diversos conflitos internos entre o Fatah (partido do presidente Mahmoud Abbas) e o Hamas, grupo político-militar terrorista que governa a Faixa de Gaza.

O porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri, elevou o tom da conversa e pediu publicamente que o líder do Brasil não leve adiante esse projeto:

“Rejeitamos a decisão do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e pedimos que ele abandone sua decisão” diz a nota publicada em rede social.

Hamas (Movimento da Resistência Islâmica) é um dos grupos mais extremistas na luta contra a existência do Estado de Israel, criado após o fim da Segunda Guerra Mundial para abrigar os judeus.

O grupo passou a ser classificado como terrorista pela União Europeia, EUA e Israel depois de agosto de 2003, quando atacou Jerusalém matando centenas de civis israelenses.



O PT e o Hamas

Em 2010, o então presidente Lula assinou um decreto doando R$ 25 milhões em apoio à economia palestina para a reconstrução da Faixa Gaza, controlada pelo grupo Hamas.

Antes de continuar, só uma curiosidade:

Em maio de 2011, o então líder do Hamas Ismail Haniya condenou a operação norte-americana que matou Osama bin Laden, responsável pelos Ataques de 11 de setembro de 2001, denominando Bin-Laden de “guerreiro sagrado”, e a operação como um assassinato.

Voltando ao decreto de Lula:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:Art. 1o  Fica o Poder Executivo autorizado a doar recursos à Autoridade Nacional Palestina, em apoio à economia palestina para a reconstrução de Gaza, no valor de até R$ 25.000.000,00 (vinte e cinco milhões de reais).

Parágrafo único.  A doação será efetivada mediante termo firmado pelo Poder Executivo, por intermédio do Ministério das Relações Exteriores, e correrá à conta de dotações orçamentárias daquela Pasta.

Pois bem, o que fez a grande mídia do país (a mesma que apoiou o PT) nas últimas eleições?

Começou a espalhar pela internet que a doação de Lula ao Hamas era ‘fake news’ … mas o texto (decreto) ainda está disponível no site oficial do governo. (link)

E tem mais …



Em 2010, o então Ministro de Relações Exteriores de Lula, admitiu que o governo teve contato com os militantes palestinos do Hamas:

“O chanceler Celso Amorim ad­­mitiu que o Brasil estaria disposto a estabelecer um diálogo com o grupo Hamas, alvo de um boicote dos países ocidentais, e quer ajudar a monitorar um eventual relançamento do processo de paz no Oriente Médio. Amorim recebeu ontem um duro recado do governo da Au­­toridade Palestina: uma aproximação ao Hamas po­­deria dar a impressão ao grupo terrorista de estar ganhando legitimidade in­­ter­­na­cional.”

SANTANA

SANTANA - Jornalista e Bacharel em Ciência Política

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *