Anatel usa simulação de ataque para incrementar regras de cibersegurança

Autor: Luis Osvaldo Grossmann

Um ataque que começa na rede de uma das operadoras de telecomunicações se espalha para concorrentes e mesmo para outros setores, como o fornecimento de energia elétrica. Essa foi uma das simulações realizadas dentro do exercício Guardião Cibernético, liderado pelo Comando de Defesa Cibernética do Exército, e que pela primeira vez reuniu empresas de telecom.

Em outro exercício, o ataque foi contra o satélite geoestacionário de defesa e comunicações. “O satélite geoestacionário tem uma empresa de telecom de grande importância na provisão de hardware e software, empresa que esta no exercício. Uma das simulações foi ataque a um ativo dessa empresa que provê estrutura de rede, e através de um ataque lateral gerando efeitos sobre a Defesa, podendo até inviabilizar link de dados”, revela o coordenador do Guardião Cibernético, tenente coronel Walbery Nogueira de Lima e Silva.

Como explica o gerente de controle de obrigações de qualidade da Anatel, Gustavo Borges, que representou a agência nos três dias de simulações e análises encerrados nesta ultima quinta, 4/7, a inclusão do setor de telecomunicações faz sentido pela importância da proteção das redes em qualquer tipo de ataque. “Ataques cibernéticos chegam para todos os setores e telecomunicações é o ambiente pelo qual acontecem esses ataques. Então é importante que o setor tenha a condição de suportar esses ataques e reagir.”

O aprendizado do exercício também alimenta preocupações específicas do setor. Como revela o gerente de controle de obrigações de qualidade, a participação ajudou no aperfeiçoamento da proposta de resolução da agência sobre o tema da segurança cibernética. “A normativa não busca determinar todos os regramentos, mas criar um ambiente de cooperação entre órgãos de governo, de defesa, entre as empresas. A regulamentação tem que acompanhar o dinamismo desse assunto”, afirma Borges.

Segundo explica, a norma é muito focada na criação de um sistema colaborativo entre as empresas do setor de telecom, para comunicação e atuação conjunta quando necessário.  “A Anatel tem planejado uma regulamentação nova sobre segurança cibernética, que está sendo encaminhada para deliberação do Conselho Diretor. Vai pautar para o setor quais são as obrigações e está bem voltado para a questão de cooperação, para que se tenha a melhor resiliência em telecom.”

Fonte: Convergencia Digital

SANTANA

SANTANA - Jornalista e Bacharel em Ciência Política

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *