A França explora 15 países africanos até os dias atuais

Abolição pelo estado do franco francês, um sistema monetário neocolonialista, que escravizou pessoas de 15 países africanos

O franco CFA é uma pilhagem sistemática de controle monetário e de recursos imposta pela França em 15 países africanos. Este sistema monetário surgi a partir do regime nazista imposta a França durante a 2ª Guerra Mundial, durante a ocupação.

Por sua vez, a França após a guerra de independência em 1945, impôs a suas ex-colônias este sistema monetário de extorsão e subjugação procedendo de qualquer maneira para explorar e saquear as matérias-primas dos países independente na África. É um sistema monetário que anula parte da economia e da soberania de 15 países africanos.

O controle total Francês da moeda e tão grande que as cédulas e cópias são feitas em Chamalieres, perto de Clermont-Ferrand (Auvergne), enquanto este dinheiro é suposto que pertencem aos referidos Estados “soberano”. Este sistema monetário injusto e humilhante, mantêm o país na pobreza crônica há mais de 50 anos no despojamento de 50% de suas receitas de exportação são bloqueadas pelo Tesouro francês em contas chamadas “contas de operações.”

Os juros gerados por esses fundos, são doados aos mesmo países sob forma de ajuda ao desenvolvimento, causando um endividamento e aprisionados em um sistema perverso fazendo com que os povos desses países em desespero tenham a migração como única maneira de não morrer de pobreza. O mais escandaloso é que o dinheiro dos 15 países africanos que está bloqueado pela França, e usado para pagar parte de suas dívidas. Assim, os países pobres pagam a dívida dos países chamados “ricos”.

Os povos desses 15 países africanos hoje querem dizer ao Estado francês; BASTA! NÃO QUEREMOS MAIS O FRANCO CFA! NÃO QUEREMOS MAIS O NEOCOLONIALISMO, QUEREMOS O NOSSO DINHEIRO E SOBERANIA, TER NOSSA PRÓPRIA MOEDA !

Fonte:

http://www.mesopinions.com/petition/politique/abolition-etat-francais-franc-cfa-systeme/15524

SANTANA

SANTANA - Jornalista e Bacharel em Ciência Política

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *